quinta-feira, 21 de agosto de 2008

SOU VEGETARIANA. E DAÍ?

Por Carmen Doria
Muitos estranham o motivo pelo qual deixei de comer carne há três anos e até brincam dizendo que só me alimento de “mato”, o que não é verdade, pois além de legumes e verduras fazerem parte do meu dia-a-dia, acrescento também quibe, hambúrguer, almôndegas, tudo feito de soja. Além de nutritivo é uma delícia. Pois bem. A carne não faz mais parte do meu cardápio porque não agüento ver o sofrimento dos animais. Não acho necessário matar milhares de inocentes apenas para saborear uma picanha suculenta ou um peixe assado. Teve gente que até se surpreendeu quando soube que eu também não comia peixe e perguntou: “Você não come peixe? Mas ele sente dor?”. Eu respondi: “É claro. Ele se sente sufocado”.Mas, para deixar de se alimentar de carne, é necessário fazer um check-up para saber se está tudo bem com a saúde e seguir a dieta feita por um nutricionista. Não façam como eu, que parei da noite para o dia e fui parar no hospital.
Vejam a opinião das pessoas:
A publicitária Cristiane Pereira, 30 anos, conta como se tornou vegetariana. “Desde junho de 2006, quando um colega vegano me deixou curiosa. Daí comecei a pesquisar e assistir vídeos na net. Acabei tomando consciência de que ser vegetariana era mais do que não comer carne, era não compartilhar com a crueldade”. De acordo com a Cristiane, a mãe e o namorado aceitaram bem, mas o pai não aceita até hoje. “Meu namorado me conheceu vegetariana, e respeita minha decisão. Quando comemos fora nós respeitamos a individualidade, pedindo coisas separadas e às vezes ele me acompanha no vegetarianismo”. Cristiane revela que após a mudança alimentar, ficou com mais disposição e acha que o vegetarianismo é o ideal para a alimentação consciente humana. “Está a cada dia ganhando mais adeptos, mas ninguém deve forçar ninguém, cada um ao seu tempo pensa na ética e decide o que é certo e errado, misturando emoções a isso tudo”. Da mesma opinião é a administradora de empresas Giselle Alves de Souza, 35 anos, que tem uma filha de três anos e meio. Segundo ela, o vegetarianismo é a melhor coisa que aconteceu em sua vida, não sendo apenas uma opção alimentar, como também um estilo de vida. “Passamos a ser mais generosos. É uma questão de evolução de espírito mesmo”. Giselle se tornou vegetariana no início deste ano, quando resolveu, “por bricandeira”, comprar o livro Magra & Poderosa, escrito por Rory Freedman - Kim Barnouin , decidiu se tornar vegetariana. “Digo na brincadeira porque comprei no objetivo de me tornar literalmente magra e poderosa”, conta, sorrindo, a administradora. Mas, “caí da cadeira. O título é até fútil pelo conteúdo do livro e fez com que minha ficha caísse na hora. Li o livro em dois dias e resolvi no dia seguinte que seria vegetariana. No entanto, ao tomar essa decisão, a família ficou chocada, mas hoje aceitam essa opção dela. “As piadas até diminuíram, por conta disso meu irmão se tornou vegetariano e minha irmã está quase lá, ainda come peixe. Depois de assistirem o dvd da Carne é Fraca, eles ficaram pasmos”, conta. Em relação ao marido, a administradora afirma que aceitou tranquilamente e que quando sai com ela, come comida vegetariana. Com a filha, Giselle explica que “a vaquinha, o franguinho e o peixinho, todos eles choram muito se comermos aquela carne”. De acordo com a mãe, a menina entende na medida que a idade dela permite tal compreensão. Mas, ressalta que vai deixá-la livre para escolher esse modo de vida. “Acredito fielmente que essa é a alimentação do futuro e que tende sim a ter mais adeptos principalmente dos mais jovens. O meio ambiente clama por isso e o planeta não terá outra escolha”. Porém, há quem não vive sem um bifinho. Esse é o caso da digitadora Camila Oliveira, 30 anos. “Não sou contra vegetarianismo. Aceito numa boa, mas jamais me tornaria vegetariana, pois não consigo viver só de legumes, frutas e verduras”. Camila tem duas amigas que são vegetarianas e respeita o estilo de vida delas. Perguntada se algum dia ao se tornar vegetariana, a família dela reagiria positivamente, ela respondeu que sem problemas. Da mesma forma agiria a família da professora Andréa Quartieri, 38 anos, que não aprecia muito a carne vermelha, mas adora peixe. “Como de vez em quando carne, mas nunca pensei em me tornar vegetariana”. Para saber mais sobre vegetarianismo acesse: http://pt.wikipedia.org/wiki/Veganismo

9 comentários:

camilaos disse...

Oi, meninas! Ficou bem bacana a matéria de vocês. Caso precisem de colaboração em qualquer outro tópico, podem contar comigo. Beijinhos e sucesso pra vocês!

Ma Zaparoli disse...

Oi Carmen, adorei a sua matéria sobre vegetarianismo...Eu não me considero um vegetariano, como carnes e peixe, e também gosto de legumes, frutas, e alimentos com soja, hambúrguer, almôndegas, como de tdo um pouco...Mas eu também concordo com a crueldade que é feita com os animais, e quando comemos não pensamos duas vezes né?Infelizmente é assim...Mas meus parabéns pra quem se considera vegetariano..É até nutritivo e mais light rsrs...Legal a idéia de fazer um blog meninas...Adorei!

Adri Moda Infantil disse...

Demais a matéria, mas eu sou daquelas pessoas que não dispensam um bifinho. Acostumei minha filha a comer carne também porque o próprio pediatra disse que não há alimento que substitua a carne. Não penso no sofrimento dos animais, prefiro assim. Mas é uma judiação mesmo!!
Admiro pessoas vegetarianas pela atitude!!
Parabéns!

Priscilla disse...

Carmem minha lindaaaaaa!!! adorei o novo blog!!!!! Torcendo para que dê muito certo! EM relação ao tema, eu posso dizer. Olá eu sou a Priscilla (olááá Priscilla)... e eu estou a 9 meses sem por um pedaço de carne na boca! :). Nunca fiz questão de carne, aderi e recomendo um legumezinho, verdurinhas e afins! boa sorte meninas! beijos...

Cristiane disse...

Olá Carmen, Parabéns pela matéria!
beijos

Jéssica Young disse...

Xiii, assunto polêmico, começaram as "controvérsias..." rs.

Muito boa a Matéria, porém a parte da Moça que fala da criança(sua filha) me deixou meio perplexa...sei lá. ADULTOS que fazem esse tipo de escolha; OK. Mas impor à uma criança, em fase de crescimento, desenvolvimento, aonde precisa de todos os nutrientes, proteína animal e tudo mais, acho tão(ou mais)"criminoso e cruel" do que comer a carne em si, pois dúvido que alguém aí não tenha sido alimentado nos primeiros anos de vida com bifinhos e tudo mais...Fica a reflexão, bjks, adoro vcs!!!

Bartira disse...

eu não tenho vontade de ficar sem carne porque gosto muito, mas acho legal seguir uma linha, acreditar em algo...:)...um beijo

Livany disse...

Tb me identifico muito com o vegetarianismo. Fiquei cerca de 8 meses sem comer carne, mas não fiz acompanhamento médico e senti necessidade de voltar a comer pq fui muito radical e parei da noite para o dia, mas não pq senti vontade. Hoje, carne vermelha é raro...mas de vez em quando como peixe. Pretendo voltar a ser, sim, mas com mais calma desta vez. Mas tb respeito a opinião de outras pessoas e acho q cada um deve se sentir bem com a sua escolha, seja ela qual for...

Parabéns pela matéria!

Gaby Vargas disse...

Oi meninas sabichonas....
Adorei o blog...
Parabéns pela iniciativa.
Um grande beijo em vcs duas.
Passarei aqui de vez quando para uma visita rápida...rsssss